terça-feira, 15 de dezembro de 2009

70 Itens Para Uma Vida Natural - de Carlos Aveline



Um Corrimão de Escada Para o Cidadão Ecologicamente Correto



Nenhum discurso pode ser mais forte do que a prática da qual ele emerge.
Esta prática pode ser pessoal ou de grupo, social ou individual, objetiva ou subjetiva; ou ocorrer em todas estas dimensões, ao mesmo tempo.

A base do discurso, no entanto, é a vivência. A força dos profetas - ecológicos ou não - só pode vir da vida concreta que eles levam adiante. As palavras são extremamente úteis quando emergem de uma vivência real. Mas só servem para desorientar ainda mais quando estão divorciadas dos fatos.

Assim, também, a consciência ecológica do cidadão brasileiro será tão forte e clara quanto seus gestos cotidianos. Consciência ambiental não se reflete em saber intelectualmente que o automóvel não deve ser exagerado como opção de transporte, mas em usá-lo menos, de fato, incluindo a bicicleta, o ônibus e a caminhada em nossas opções práticas e cotidianas. O amigo da natureza não é apenas aquele que tem um discurso de defesa do ambiente natural. É, mais ainda, aquele que reexamina a cada dia sua vida pessoal e a adapta, tanto quanto possível - com equilíbrio –, ao ideal de vida que ele mesmo vai constantemente esculpindo à medida que aprende a viver.

No século 21, é preciso ir além do discurso crítico. E uma nova prática já emerge da vida de cada um. Novos hábitos alimentares, uma nova vigilância ecológica de cada consumidor, toda uma postura diante da vida surge movida por uma multidão de pequenos gestos cotidianos. Esta transformação, simultaneamente individual e coletiva, não parece gigantesca, mas não tem os pés de barro. Acontece quase imperceptivelmente, mas pode ser irreversível. Não é resultado da propaganda, mas do despertar de uma consciência que não pode mais ser retirada do cidadão.

O cidadão ecologicamente correto sabe que seu exemplo diz mais do que suas palavras, e suas palavras têm muito mais peso e significado quando refletem uma prática cotidiana. Há centenas e centenas de recomendações ecológicas a serem possivelmente observadas em diferentes aspectos da vida moderna, submersa na alta tecnologia.

Selecionamos aqui apenas setenta itens, tocando uns poucos aspectos da vida do cidadão. Eles podem servir como elementos de apoio para um exame da nossa prática.

Nossa vida se desenvolve em um ritmo natural? Depois de ler calmamente os itens a seguir, você poderá ter uma imagem do seu desempenho ecológico. Anote quais são as recomendações que você já atende hoje. Em relação a elas, você pode renovar o compromisso com sua própria consciência, ou, em muitos casos, ampliá-lo, avançando e aprofundando a sua postura.

Anote também quais são os itens que você ainda não atende, mas que poderia atender quase sem esforço, com vantagem para sua saúde e para o equilíbrio ambiental. E marque ainda aqueles pontos que exigem um esforço bem maior, inclusive uma boa quantidade de coerência e autodisciplina. Não tome decisões grandiosas ou radicais. Prefira uma mudança gradual e firme. O mais importante é que você avalie, periodicamente, seu desempenho perante sua própria consciência. Inclua outros itens específicos e que permitam uma avaliação da qualidade da sua vida em um sentido mais abrangente. A ecologia pessoal é a base de toda ecologia social.


1) Respirar mais profundamente - A verdade é que o sangue precisa de oxigênio. Respiração profunda amplia a clareza da mente e dá mais saúde física. Faça isso calmamente, durante alguns minutos por dia. Diante de ar livre e puro, na medida do possível.

2) Dar folga para o estômago - Seu estômago é um dos seus amigos mais importantes. Não se empanturre. Dê descanso ao estômago. Coma para alimentar-se. Não se intoxique.

3) Abrir espaço para a qualidade de vida na rotina diária - Não deixe para depois de amanhã a melhora que pode produzir e estabelecer hoje. A qualidade de vida é uma planta que se tem que regar todo dia.

4) Manter contato com o jornal que você lê, a rádio que escuta, a estação de televisão que assiste - Ligue para seus meios de comunicação social preferidos e faça sugestões de assuntos que deveriam ser abordados, critique quando errarem, elogie quando acertarem. A influência do consumidor é decisiva para que os meios de comunicação possam melhorar seu conteúdo. Escreva cartas para a coluna do leitor e expresse seus pontos de vista.

5) Mastigar bem os alimentos - Quando começa uma refeição, a pressa e a ansiedade devem ser deixadas de lado. Mastigar, como respirar, deve ser um gesto completo, consciente, íntegro, sem exageros.

6) Evitar remédios convencionais - Tome remédios só quando for de fato necessário. Neste caso, prefira o enfoque homeopático ou naturalista. Os laboratórios químicos induzem ao consumo de remédios não só desnecessários, mas prejudiciais.

7) Comer menos carne - Afaste-se, gradualmente, do processo diário de massacre diário dos animais para “produção” de carne. Há ainda outros motivos além do respeito à vida. A carne bovina vem com hormônios, conservantes e toxinas que a tornam alimento pouco saudável. Diminua a carne, e se quiser proteínas animais, prefira leite, queijo, ovos. Pense em uma alimentação mais vegetariana. Se possível elimine todo tipo de carne da sua dieta.

8) Não exagerar com o automóvel - Carro particular causa poluição ambiental e priva seu organismo do necessário exercício físico. Use-o quando necessário mas valorize a caminhada e outros meios de transporte.

9) Andar de bicicleta - Este é o veículo mais usado em todo o mundo. Descongestiona o trânsito nas cidades, não polui e faz bem à saúde.

10) Fazer caminhadas - É outra maneira de garantir o exercício físico diário que o corpo precisa para manter a saúde. Prefira caminhar por ruas mais silenciosas ou parques. Para distâncias curtas, caminhar é melhor que andar de carro.

11) Trocar o café pelos chás naturais - Evite tomar muito café ou chá preto. A ingestão excessiva de café pode causar problemas de comportamento, alterações cardíacas, câncer de bexiga e aumento do colesterol. A cafeína produz insônia e excitação nervosa. O café de cevada pode ser uma alternativa. Mas os sucos e chás naturais têm diferentes propriedades medicinais. Escolha entre eles, o mais adequado para você.

12) Ser amigo das árvores - Além de todas as funções ecológicas conhecidas, ter uma ou mais árvores por perto acalma as pessoas e melhora seu estado de ânimo. No caso de hospitais, pacientes que têm árvores dentro de seu campo visual ficam curados mais rápido. Mantenha seu bem-estar interior convivendo com árvores. Defenda-as, quando ameaçadas. Cuide delas. Plante mudas. Verá, então, como se sente melhor.

13) Deixar o cigarro - Além do tabaco, o cigarro contém quase 2000 agentes químicos, na maior parte cancerígenos. Respeite seus próprios pulmões e os dos outros. No plantio de fumo o impacto ambiental é muito grande: florestas nativas são cortadas e pesticidas são lançados ao solo, e. As mesmas terras poderiam, em vez disso, estar produzindo alimentos para os pobres. O consumo de cigarro é provocado artificialmente por campanhas de propaganda das multinacionais. Economicamente, as doenças geradas pelo cigarro significam grande prejuízo para a sociedade.

14) Preferir alimentos com fibra - Segundo a Organização Mundial da Saúde, 80% dos casos de câncer ocorrem por razões ambientais, inclusive o cigarro e a má alimentação. Os alimentos integrais, com fibras, previnem problemas de saúde. Evite alimentos artificiais ou refinados.

15) Raio-X, só quando indispensável - Evite radiografias sempre que possível. Mesmo pequenas doses de radiação – que às vezes nem são tão pequenas – devem ser evitadas para manter melhor a saúde.

16) Uma pausa antes de comer - Antes de iniciar uma refeição, pare um instante, acalme sua mente, concentre-se na idéia mais elevada que puder imaginar no momento. Deixe de lado toda pressa e ansiedade. E então comece a comer com calma e tranqüilidade, para que a digestão possa começar de maneira certa.

17) Preferir acupuntura, do-in, homeopatia - As terapias alternativas não intoxicam o paciente, que é convidado a compreender si mesmo não só o mecanismo da doença, mas as bases do equilíbrio interno que sustenta a saúde física.

18) Beber menos leite - Diversos produtos químicos são lançados em seu leite diário, desde conservantes até aromatizantes. As vacas leiteiras recebem doses quase constantes de antibióticos e hormônios prejudiciais à saúde delas e à nossa também.

19) Economizar e reciclar papel - Use papel dos dois lados. Quando possível, compre papel reciclado, ou pelo menos não branqueado com cloro, produto nocivo ao meio ambiente.

20) Comendo ovos? Cuidado - Poucas galinhas poedeiras, hoje em dia, têm vida ou alimentação naturais. São mantidas em cativeiro, sem poder mover-se, recebendo altas doses de hormônios para produzir mais ovos. Deixando de comprar ovos nestas “granjas”, você não compactua com o massacre dos animais – e ainda protege sua saúde.

21) Abandonar as frituras - Se você não resiste a uma fritura de vez em quando, faça com que isso seja apenas uma exceção, e use óleos leves, que ajudam a controlar o colesterol. É melhor tentar viver sem frituras, ou com poucas.

22) Largar a carne de porco - A carne de porco é, entre todas, provavelmente a mais prejudicial a saúde. Sem falar na saúde do próprio porco, que é a primeira vítima inocente do processo. Os animais merecem o nosso respeito. Não sabem falar, não podem defender-se, mas sentem dor, tanto quanto nós. E há o nosso corpo físico. É nosso primeiro e melhor amigo neste mundo, e trabalha 24h por dia para nós, sem nada a reclamar, mas tentando reparar todos os erros que cometemos em nossa alimentação e ritmo de vida.

23) Evitar alimentos muito quentes ou muito frios - Chá muito quente, e sorvete ou suco muito gelado, não ajudam o organismo. É melhor evitar os extremos de temperatura nos alimentos ingeridos. Faça como os animais, que instintivamente preferem alimentos com temperatura próxima à de seu organismo. O conselho dos iogues é o mesmo.

24) Comer alimentos naturais da estação - Os vegetais produzidos fora da estação exigem uso mais intensivo de pesticidas e substâncias químicas. Prefira frutas e legumes da época.

25) Fazer exercícios físicos diariamente - Caminhe, ande de bicicleta, faça um pouco de hatha ioga, jogue vôlei, futebol ou basquete ou tênis de praia. Exercícios físicos moderados são essenciais para manter à saúde e uma atitude equilibrada e saudável diante da vida, evitando as causas do estresse e da tensão.

26) Praticar meditação - Considerada por alguns como instrumento para uma ecologia da mente e dos sentimentos, a meditação não é uma prática tão complicada quanto se pensa. Basta sentar-se em silêncio. Observe a passagem dos pensamentos pela mente como se fossem nuvens no céu. Não se comprometa psicologicamente com eles. Com o tempo, seu espaço mental e emocional ficará quase todo livre de “nuvens” ou pensamentos, e surgirá um tipo mágico de liberdade interior.

27) Verduras e legumes sem veneno - Com vitamina A e cálcio, a cenoura e as verduras, assim como a maçã, podem ajudar a neutralizar o chumbo, cobre e outros metais pesados em nosso organismo. Além disso, muitos pesticidas são usados na cultura do tomate, da alface e inclusive da cebola. Em alguns casos, como a fiscalização é falha, os excessos podem ser consideráveis. Lave bem e descasque pepinos e tomates. Jogue fora a camada externa das cebolas. Quando possível, compre produtos de agricultores que não usam venenos.

28) Lavar bem as verduras - Toda verdura de folha deve ser bem lavada para que saiam restos de agrotóxicos. Deixar algum tempo de molho em bacia com água também é bom; inclusive com um pouco de vinagre ou suco de limão, o que ajuda a matar parasitas e bactérias. E jogue fora as folhas externas aonde se acumulam mais os poluentes.

29) Preservar o peixe - Peixe não é necessariamente uma boa alternativa alimentar para quem elimina as espécies mais prejudiciais de carne. As águas poluídas são um sério problema. Peixes acumulam metais pesados. E a questão ética permanece: você sabe quanto sofre um peixe antes de morrer, lentamente, por asfixia? E quem pode medir este sofrimento?

30) Diminuir o açúcar - Aceite o açúcar natural presente nos alimentos. Adoce com mel ou com frutas. Se não puder renunciar ao açúcar, use o mascavo, que é menos prejudicial.

31) Fazer a sua geléia - É relativamente fácil fazer geléia em casa, que é mais barata, com mais fruta, com menos açúcar e sem aditivos.

32) Procurar os recicláveis - Quando for às compras, priorize os produtos recicláveis, que podem ser consertados, reabastecidos, recarregados e usados de novo. Evite produtos que dependem de pilhas e baterias, porque são altamente poluentes.

33) Olhar o rótulo dos alimentos comprados - Verifique a data de validade do produto e as instruções para seu uso. Os consumidores brasileiros que não o fazem acabam comprando grande quantidade de alimentos com data vencida ou usando-os de modo nocivo para a saúde.

34) Preferir garrafas de vidro - Evite as garrafas de plástico, que terão de ser descartadas, enquanto que as de vidro são imediatamente recicladas. Esta é uma pequena opção individual, diária, por uma sociedade ecologicamente viável. Um pequeno ato de autodisciplina e de respeito pelo meio ambiente.

35) Evitar enlatados - Se ainda bebe refrigerantes ou cervejas, não aceite que venham em latas, pelo mesmo motivo do item anterior. Evite alimentos enlatados e compotas, exceto as feitas em casa, em vidros.

36) Deixar de lado o isopor - Usado para embalar sorvetes e em várias outras situações, o isopor é cancerígeno se estiver em contato com alimentos, e contém CFC, que destrói a camada de ozônio nas regiões superiores da atmosfera terrestre.

37) Usar inseticidas caseiros - Nenhum inseticida químico é inofensivo. Se pensa que precisa usá-lo, leia a bula e siga as instruções com cuidado. Mas há também algumas soluções alternativas. Donas de casa experientes informam que, para formigas, deve-se colocar algumas gotas de suco de limão na entrada do formigueiro e deixar ali a casca. As formigas também podem ser eliminadas com o uso de pó de café, talco, pimenta e cinzas. Para baratas, misture bicarbonato de sódio com açúcar e coloque, em tampinhas de garrafas, nos locais freqüentados por elas (sob a geladeira, o fogão, em ralos e lixeiras). O açúcar atrai e o bicarbonato as mata. Para traças, a cânfora é tão eficiente quanto a naftalina. Para aranhas, se forem poucas, pequenas e inofensivas, evite matá-las: elas se alimentam de vários insetos desagradáveis. Para pulgas, o maior problema é com os animais de estimação. Lave-os com água morna e sabonete e enxugue-os. Aplique depois uma solução caseira eficaz para manter as pulgas à distância: duas colheres de sopa de alecrim fervidas em um litro de água.

38) Abandonar o forno de microondas - Além dos fornos domésticos, as freqüências de microondas são usadas em sistemas de radares e telecomunicações. Evite viver próximo de sistemas de radar devido a seus efeitos cancerígenos. No caso do forno doméstico, o melhor é não tê-lo. Opte por métodos mais simples, e seguros, de preparar e aquecer alimentos. Se quiser correr o risco, ponha o aparelho em local o mais retirado possível. Não deixe crianças olharem através do vidro para ver o que está ocorrendo. O Canadá está entre os países mais rigorosos na regulamentação do forno de microondas, devido a seus perigos. A legislação é frouxa nos Estados Unidos e inexistente no Brasil. Além dos problemas citados, o forno de microondas também pode desenvolver aminoácidos tóxicos para os rins e o fígado em alimentos como queijo, leite, carne, e peixe. Normalmente, usado por muito pouco tempo, ele não dá, aos alimentos que aquece, uma temperatura uniforme capaz de matar todas as bactérias.

39) Falar pouco ao telefone celular. Apesar do enorme poder de pressão das empresas de telefonia móvel, multiplicam-se as pesquisas científicas e as suspeitas sobre danos à saúde causados pelo telefone celular chegam constantemente à imprensa. A União Européia promoveu uma pesquisa, feita por empresa alemã, que durou quatro anos. O resultado foi conhecido em 2004. A conclusão dos cientistas foi de que as ondas emitidas pelos celulares prejudicam as células do corpo e o DNA humano, em condições de laboratório. Não há evidências suficientes para proibir esses telefones, mas sugere-se novas pesquisas. Enquanto a polêmica não se esclarece, o melhor a fazer é evitar o telefone celular se ele não for necessário. Ou usá-lo apenas para ligações curtas. Além disso, um detalhe. É melhor que ele não seja carregado junto ao corpo.[1] Em 2005, as autoridades norte-americanas do setor de saúde também alertaram contra o uso de telefones celulares por crianças.

40) Economizar água - A água é um recurso natural escasso. Não deixe a torneira aberta todo o tempo enquanto escova os dentes. Não fique meia hora embaixo do chuveiro aberto. Tome providências imediatamente se há um vazamento em sua casa ou prédio.

41) Proteger as crianças dos alimentos nocivos - Mediante um bom diálogo e um trabalho de educação integral, você pode conscientizar seus filhos (e os amigos deles, já que uma criança não vive isolada) sobre os problemas do excesso de doces e balas, dos refrigerantes, hambúrgueres, cachorros-quentes e outras armadilhas do chamado mundo moderno. Estes alimentos têm, muitas vezes, não só açúcar branco, mas corantes, conservantes, e outros aditivos prejudiciais. A satisfação que eles dão dura poucos segundos, mas há conseqüências de longo prazo como fraqueza nos dentes, mais possibilidades de contrair doenças e gastos com médicos e dentistas.

42) Uso moderado de refrigerantes - Coca-Cola e Pepsi-Cola têm cafeína, que causa uma dependência como a criada pelo café e chá preto. Além disso, outros aditivos e propriedades destas bebidas fazem-nas altamente destrutivas dos dentes e nocivas ao estômago. Em geral os outros refrigerantes são menos agressivos à saúde, o que não chega a ser um elogio. Beba sucos naturais. Não só não fazem mal, mas ajudam a manter e a recuperar a saúde. Também neste aspecto, proteja suas crianças.

43) Desligar mais a televisão - Usada em excesso, a televisão interrompe a vida familiar e destrói a vida intelectual, cultural, e social das pessoas. Com seus programas alienantes, a televisão é um exemplo de poluição mental e deseducação da população. Mas, usada com moderação e inteligência, pode ser um fator positivo na vida. Às vezes, há bons filmes. Existem bons noticiários e alguns programas culturais e ecológicos. A TV Futura, o Discovery Chanel e as televisões educativas desempenham papel positivo. BBC de Londres e CNN têm bom jornalismo.

44) Evitar panelas de alumínio - Procure substituir gradualmente suas panelas de alumínio. Prefira panelas de aço, esmaltadas, de ferro, ou ainda de vidro. O alumínio da panela se desprende quando são cozinhados alimentos ácidos, ou quando se raspa o recipiente com força. Há várias doenças associadas ao excesso de alumínio no organismo humano.

45) Preferir sabonetes naturais - Há sabonetes com perfumes artificiais que não só prejudicam a pele, mas o meio ambiente, isto é, o rio ou arroio para onde vão, dissolvidos na água. Não se iluda com perfumes fortes. Não são bom sinal.

46) Transpirar naturalmente - Não exagere com os desodorantes. O suor natural é importante para eliminar toxinas. Desodorantes supostamente “modernos”, à base de cloridato de alumínio, formaldeído e amônia, bloqueiam os poros da pele e fazem mal à saúde. Talcos neutros como o polvilho antisséptico “Granado” relativamente são inofensivos à pele e necessitam uso menos freqüente.

47) Recusar produtos descartáveis - Acelere a evolução do mercado consumidor brasileiro em direção a uma atitude de respeito para com o meio ambiente. Evite comprar produtos descartáveis, ou que vêm envoltos em enormes embalagens.

48) Colocar as mãos na terra - Se você tem um pedaço de terra no quintal, ou tem pátio grande, ou uma chácara, faça uma horta. Até em vasos, em um apartamento, se houver sol, você pode plantar. Plante alface, couve, chuchu, tomate, espinafre, cenoura. Plantar é uma das melhores higienes mentais possíveis. E na hora de comer, você terá certeza de que está livre de venenos.

49) Evitar o uso de amianto - Evite quando possível o amianto, seja em telhas, reservatórios de água ou qualquer outro produto. O amianto desprende microfibras que são inaladas na respiração, e podem provocar graves doenças respiratórias. O produto já foi proibido na Alemanha e outros países. Também é nocivo ao meio ambiente e à saúde dos trabalhadores que o produzem.

50) Preferir alimentos integrais - Deixe de lado a farinha, o açúcar, o sal e outros alimentos refinados. Na sua fabricação são usados branqueadores e substâncias artificiais que podem até liberar dioxina, enquanto suas fibras e características naturais se perdem no processo. Prefira farinha, arroz e pão integrais e coma sal marinho.

51) Dar folga para seu bolso - Compre só o necessário. Vivemos em um mundo de falsas necessidades, criadas artificialmente. Saia fora do círculo vicioso de consumo-pelo-consumo, responsável por tanta destruição ambiental, tanta exaltação do egoísmo. Uma atitude mais reservada em relação à compulsividade consumidora pode, literalmente, dar lucro a você.

52) Participar do movimento ecológico - Deve haver uma entidade ecologista em sua cidade. Certamente há muitas delas em seu Estado. Associe-se. Participe das reuniões.

53) Ganhar tempo no ônibus - Ir de carro aos lugares onde isto não é indispensável e constitui uma perda de tempo. Se der preferência ao ônibus ou metrô, você pode ir lendo ou estudando, porque o tempo da viagem é útil. Se a distância for pequena, há a possibilidade de caminhar ou ir de bicicleta.

54) Ser um cidadão atuante - Tenha à mão os telefones da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de sua cidade e da entidade ecológica mais próxima. Denuncie qualquer irregularidade da qual venha a saber, dando seu nome e endereço para confirmação da denúncia. Sempre que possível, participe de ações concretas em defesa do meio ambiente.

55) Fazer passeios pela natureza - Ninguém pode amar ou defender o que não conhece. Deixe de lado a tensão do trabalho urbano e visite os lugares da natureza. Esvazie-se da pressa e aprenda a perceber a música e a harmonia presentes no silêncio da natureza.

56) Conscientizar filhos, sobrinhos ou irmãos menores - Converse sobre a questão da defesa ambiental com seus familiares. Se você é adolescente, pode ajudar seus amigos ou irmãos menores a perceber um sentido mais amplo na vida. É útil questionar toda a rotina diária a partir do ponto de vista da qualidade de vida.

57) Evitar bebidas fortes - Caipirinhas, vinhos e outras bebidas alcoólicas são uma violência contra o organismo humano. Se não puder renunciar totalmente ao uso do álcool, opte por uma cerveja gelada em doses homeopáticas. Evite o pileque como meio de transcender a sua consciência média da realidade. Se quiser transcender, decida-se pela meditação, leia sobre ioga. É bem melhor do que destruir o sistema nervoso com bebidas alcoólicas.

58) Evitar o excesso de sol na piscina ou praia - Entre 10h e 15h30 o perigo é maior. Os índices de câncer de pele no Brasil são preocupantes.

59) Repelentes naturais - Evite os repelentes químicos contra insetos como o mosquito e o borrachudo. Prefira o óleo de bergamota e outros produtos inofensivos à saúde humana e ao meio ambiente que podem ser encontrados em lojas naturais. Em caso de emergência, o antigo sistema do tapa ainda funciona. Colocar telas nas janelas e portas da casa e usar mosquiteiro também constituem providências sensatas.

60) Ao dirigir, evite altas velocidades - Altas velocidades não são apenas perigosas para você e para os outros, mas prejudicam todo o meio ambiente. Dirigindo a 112 km/h - por exemplo - você gasta 25% mais combustível do que viajando a 88 km/h. Andando mais devagar, você economiza dinheiro e polui menos.

61) Evitar a causa das dores de cabeça (e de outros males) - De cada dez casos de dor de cabeça, nove são resultado de tensão, inclusive ansiedade, depressão, preocupação e problemas emocionais semelhantes. Tomar comprimidos é uma falsa solução. Beba um chá de camomila. Sente-se calmamente, espinha dorsal ereta, pés firmemente apoiados no solo, imagine a energia que está concentrada na cabeça dissolvendo-se e distribuindo-se calmamente. Relaxe. Faça exercícios físicos moderadamente, pensando definidamente em algo agradável. Revise, examine e elimine um a um os fatores tensionantes de sua vida diária.

62) Seja sério, mas sorria - O bom humor e o riso contribuem para nos manter relaxados e evitar tensões ou doenças. Fale sobre seus problemas com amigos confiáveis. Desabafar com gente amiga é uma maneira de evitar que os problemas ganhem importância exagerada. Quando falamos dos problemas, eles desinflam.

63) Manter contato com o(s) político(s) em quem você votou nas últimas eleições - Seja vigilante. Acompanhe as ações do vereador, prefeito e deputado a quem deu seu voto. Pressione para que eles se posicionem corretamente nas questões ambientais e de qualidade de vida.

64) Estimular o uso de energia natural renovável. Na sua empresa ou âmbito de atuação, leve em conta o fato de que a energia solar e a energia eólica são exemplos de alternativas cada vez mais valorizadas.

65) Verificar a destinação final de resíduos sólidos. Onde vai o lixo da sua empresa, prédio ou comunidade? O que se pode reutilizar? O que se pode reciclar? Como eliminar o desperdício?

66) Usar roupas e sapatos até o final. Se você compreende a idéia da simplicidade voluntária, então você provavelmente não consegue compreender por que há tamanha obsessão atualmente com a moda e a chamada “elegância pessoal”. Nesse caso, não se preocupe. Você está em boa companhia. Todas as religiões e filosofias condenam a superficialidade e a vaidade e ensinam há muito tempo que “quem vê cara não vê coração”. Como se isso fosse pouco, a revista Biosofia, de Lisboa, publicou uma pequena história sobre Albert Einstein:
“Antes e depois de se ter tornado conhecido, Einstein sempre foi muito descuidado com seu vestuário e aparência. Certo dia, em Ulm – sua terra natal – cruzou com um amigo que lhe fez notar, com todo tato e muito carinhosamente, que a sua indumentária talvez não estivesse muito alinhada...
‘Não tem importância’, disse Einstein. ‘Aqui todos me conhecem!’
Anos depois, outro amigo encontrou-o nas ruas de Nova Iorque vestindo um sobretudo todo “surrado”. Preocupado, segredou-lhe: ‘Meu amigo, por favor, não ande vestido assim. Não é adequado para uma pessoa do seu nível!’ E Einstein respondeu: ‘Não tem importância. Aqui ninguém me conhece!’ ”

67) Apoiar cooperativas e outras iniciativas da economia solidária. Junte-se a ações comunitárias em que pessoas livres se organizam para produzir com base na ajuda mútua. Essa é a grande alternativa para a construção de cidades que sejam socialmente justas e economicamente eficazes. Nas cooperativas, os trabalhadores estabelecem novas relações de produção e passam a ser donos do seu próprio trabalho.

68) Buscar soluções novas. Valorize o passado, mas não fique preso a ele. Aceite o novo e o desconhecido. Certa vez, o sábio Nasrudin procurava desesperado alguma coisa no chão, à noite, sob o poste de luz. “O que foi que você perdeu?” , perguntou um amigo. “A chave da minha casa”. O amigo de Nasrudin ajoelhou-se e começou a ajudá-lo a procurar. Mas pouco depois perguntou: “Onde foi, exatamente, que você perdeu sua chave?” Nasrudin apontou para um lugar distante: “Foi lá”. “Mas, então, por que você está procurando aqui, junto à porta da sua casa?” – perguntou o amigo, estupefato. E Nasrudin explicou: “Porque aqui o terreno está iluminado pela luz do poste. Lá onde perdi a chave, eu não enxergo nada!”. Assim também nós, em geral, evitamos procurar as coisas que necessitamos onde elas realmente estão. Muitas vezes preferimos buscá-las apenas dentro do terreno da rotina dos nossos velhos pensamentos. São João da Cruz escreveu: “Para chegares ao que não sabes, hás de ir por onde não sabes”.

69)Cultivar a calma. Evite o excesso de tensão ou ansiedade. Mantenha um ritmo natural. Perceba o silêncio entre um pensamento e outro e ouça seu coração. Tenha consciência da ação do vento sobre as folhas das árvores mais próximas a você.

70) Fazer, de tempos em tempos, uma auto-avaliação - Verifique calmamente o grau de coerência que você já atingiu na vivência de seu ideal ecológico, e também em outros aspectos da sua vida. Contente-se com a realidade, e veja como pode melhorar sem alimentar conflitos desnecessários consigo mesmo. Identifique de que modo pode continuar auto-aperfeiçoando-se com tranqüilidade, e ser cada vez mais sábio na arte de viver.

Acrescente agora aqueles itens que são importantes para você mas que não constam nesta lista, e defina algumas metas pessoais para o futuro próximo.




Algumas das fontes:

Design For a Livable Planet, de John Naar, Harper & Row, Publishers, Nova Iorque, EUA, 1990 · The Young Person’s Guide to Saving the Planet, Debbie Silver & Bernadette Vallely, Ed. Virago, Londres, 1990 · 330 Dicas de Atitudes para Contribuir com a Saúde do nosso Planeta Terra, o Coração Ainda Bate, um guia de conservação ambiental, Fundação Biodiversitas, Ed Tchê!, RS, 1990 · 1001 Ways to Save the Planet, Bernadette Vallely, Penguin Books, Londres, 1990.



Site:
http://www.filoterapia.com/redirect.php?ler=21

Imagem:
www.gardeningnews.ca/item_articles.php?conten...


Obs.:

Os grifos, no texto, são meus.



3 comentários:

*Teresa Cristina* disse...

Oiee Adélia, quanta informação boa menina!!!
Leite de fato eu não consigo tomar mesmo, num desce de jeito nenhum, compenso com queijo....carne de porco tbém já não como, nossa mas a q mais gostei foi a importancia de vc aprender a se desacelerar pra poder ajustar o seu metablismo na hora das refeições.
Tenho muito q me disciplinar ainda.
bjss e obg por compartilhar.

Adelia Ester Maame Zimeo disse...

Teresa, também considero a questão do momento para as refeições extremamente importante. É neste, onde a maioria das pessoas tem de ser reeducada. Grata por seu comentário proveitoso! Beijos.

Maria Tereza Venzke disse...

Oi Adélia,

Adotei a filosofia da vida simples e natural já a algum tempo...
Este post está ótimo.
Tomei a liberdade de levá-lo comigo para compartilhar no blog.

Um beijo carinhoso.