quarta-feira, 26 de maio de 2010

"PARAPSIQUISMO SADIO"


" O parapsiquismo, muito associado à mediunidade, é uma habilidade que pode ser desenvolvida. Para ser sadio, a pessoa precisa adquirir controle sobre o processo".

Por Alexander Steiner



"Temas relacionados ao parapsiquismo são cada vez mais comuns em livros, revistas, filmes, novelas e no dia-a-dia das pessoas. Nem sempre são abordados tecnicamente, fato que gera muita desinformação e mitos.

Mas o que é parapsiquismo e como desenvolvê-lo de maneira sadia? De acordo com a Conscienciologia e a Projeciologia, parapsiquismo é a tendência evolutiva que a pessoa (ou a consciência) apresenta, de extrapolar as limitações do corpo físico - ou neuropsíquicas - para alcançar maior discernimento sobre a realidade da existência de outras dimensões. Isso se dá por meio do uso consciente das potencialidades dos quatro corpos de manifestação e do maior domínio das bioenergias.

Normalmente os termos médium, sensitivo e paranormal são utilizados para denominar a personalidade parapsíquica.


No estudo do parapsiquismo, devemos considerar as seguintes variáveis: discernimento, autoconscientização multidimensional e intencionalidade.

Discernimento é a capacidade de compreender situações, de separar o certo do errado.

Autoconscientização multidimensional é a atribuição da consciência em sustentar a lucidez e o discernimento em múltiplas dimensões pelo domínio das suas energias, do parapsiquismo e da descoincidência dos veículos de manifestação.

A intencionalidade caracteriza-se pelo que é feito de acordo com a vontade, deliberadamente.

'Normalmente os termos médium, sensitivo e paranormal são utilizados para a personalidade parapsíquica'


Para algumas pessoas, a manifestação do parapsiquismo pode acontecer de forma espontânea, pelo fato de já terem desenvolvido esse traço em outras vidas.

O parapsiquismo pode ser sadio. Neste caso, o indivíduo parapsíquico tem controle sobre o processo, podendo parar ou interrompê-lo quando quiser a partir de sua vontade, com nível de auto-conscientização multidimensional suficiente para saber quais são as consciências extrafísicas envolvidas diretamente e com discernimento quanto a suas ações.

Outro ponto importante diz respeito aos resultados de suas ações, que devem ser pró- -evolutivas. Ainda raro em nossa sociedade, este nível de parapsiquismo é manifestado pelas consciências que não sofrem de assédio interconsciencial, ou seja, não sofrem consequências negativas nas interações com outras consciências.

Já o parapsiquismo instável ou lábil é o mais comum. Mesmo quando bem intencionado, nem sempre o indivíduo percebe as consequências negativas de seus atos.

Outras vezes, não percebe com quais companhias extrafísicas se manifesta. Seu nível de autoconscientização multidimensional ainda é instável.

Na condição patológica existe o parapsíquico sem controle sobre o que acontece com ele, ti- picamente caracterizado pela possessão doentia, quando quem manda é a consciência extrafísica sobre a consciência intrafísica de vontade débil. Nesses casos, as consciências extrafísicas envolvidas são as chamadas assediadoras ou obsessoras.

Um dos médiuns mais famosos do Brasil é o Chico Xavier.

Outros termos também são usados para pessoas que tem personalidade parapsíquica, como sensitivo e paranormal.


Desenvolvimento do parapsiquismo

O desenvolvimento de qualquer habilidade da consciência requer muita dedicação e persistência. No entanto, existem pessoas que naturalmente têm facilidade ou manifestam seu parapsiquismo de maneira espontânea em função de terem desenvolvido esse traço em outras vidas. É por isso que existe o dito popular: "nasceu com o dom".

Mas talento, somente, não garante resultados positivos.
Para que o parapsíquico se desenvolva durante uma vida, é necessário seriedade.
Caso contrário, toda a facilidade inicial pode ficar em subnível.

Algumas pessoas acabam desenvolvendo-se empiricamente, por meio de suas próprias experiências de erros e acertos.

Outras se associam a grupos, religiões ou linhas filosóficas que, em sua maioria, não apresentam metodologia para o desenvolvimento do parapsiquismo.
(...)
No desenvolvimento do parapsiquismo sadio, é importante que a consciência se conhe-ça e saiba como reage de acordo com o nível de tranquilidade ou de pressão.

Faz-se necessário questionar a si mesma com o objetivo de autoconhecimento. Esse processo evita alguns "mata-burros" comuns aos médiuns e parapsíquicos, principalmente aqueles relacionados ao poder e ao estrelismo.

É importante que a pessoa aprenda a avaliar por si hipóteses sobre os fenômenos pelos quais esteja passando e so-mente após uma série de experiências com o mesmo teor e conteúdo saiba, com mais precisão, o que está acontecendo.

Nessa condição, aos poucos vai desenvolvendo sua sinalética energética-anímico-parapsíquica, que é um conjunto de sinais pessoais que permite a leitura dos fatos multidimensio- nais. Nesses moldes, o desenvolvimento técnico do parapsiquismo sadio ainda é raro".

'No parapsiquismo sadio, o indivíduo tem controle sobre o processo, podendo parar ou interrompê-lo quando quiser'



Fonte: Revista Psique - Ciência e Vida
http://psiquecienciaevida.uol.com.br/ESPS/Edicoes/48/artigo160189-1.asp


3 comentários:

Maria José disse...

Adélia. Muito obrigada pelas palavras carinhosas deixadas no Arca. A sua amizade me fortalece. Beijos, amiga e fique com Deus.

Jeanne disse...

No curso de desenvolvimento mediúnico nossos dirigentes salientaram muito esta questão da disciplina e de manter o controle sobre as manifestações.
Mas certamente não apronfundamos tanto, fomos treinados para trabalhar na casa e servir à causa espirita.
Beijos

ELANE, Mulher de fases! disse...

Saudade de vc, amei a aula!!ótimo fds!querida Adelia!