sábado, 30 de janeiro de 2010

O Poder Secreto dos Animais III






"A psicóloga de animais Beatrice Lydecker, autora do livro What the animals tell me (O que os animais me ensinaram), defende a ideia de que o esforço que os animais fazem para se comunicar conosco é muito maior do que podemos perceber. Para ela, a maioria das mensagens que eles nos mandam escapa totalmente à nossa atenção.


Para Beatrice, os animais não se comunicam conosco verbalmente, e sim por intermédio de percepções extrassensoriais. Ela cita os resultados de uma série de testes que demonstrariam como uma pessoa pode se comunicar com seu animal preferido usando uma linguagem não verbal e visualizando aquilo que deseja. Essa opinião é compartilhada também pelos zoólogos Maurice e Robert Burton, autores da enciclopédia Inside the animal world (Por dentro do mundo animal), que trata de comportamento animal. A obra narra vários exemplos extraordinários de telepatia animal.


Por seu lado, o pesquisador norte-americano J.B. Rhine, considerado o pai da parapsicologia científica, já afirmava que experimentos bem controlados sobre a percepção extrassensorial dos animais confirmavam a evidência e sugeriam que a capacidade dos animais de transmitir e receber mensagens telepáticas é uma propriedade adquirida do organismo animal e precede a consciência sensorial".




Autoria: Luis Pellegrini
Revista Planeta - Julho/2009
http://www.terra.com.br/revistaplaneta/edicoes/442/artigo144043-3.htm


O Poder Secreto dos Animais II







"Há, em todo o mundo, inúmeros episódios de animais que, afastados de suas casas ou dos seus donos pelas causas mais diversas, encontram o caminho de casa até mesmo depois de anos de busca e de perigosas viagens.

Sheldrake fala disso em seu livro, examinando casos de cães, gatos, cavalos e pássaros que conseguem voltar a seu domicílio, pouco importando a imensa distância que parecia tornar o feito praticamente impossível.

A conclusão das suas pesquisas é que são de pouco ou nenhum valor o olfato e a memória visual dos lugares que os animais cruzaram. Em muitos casos, era na verdade impossível tomar consciência dos espaços percorridos - por exemplo, no caso de viagens aéreas ou de trem (e pensemos que os citados animais escolheram meios e estradas totalmente diversas daquelas usadas durante a viagem de ida).

Tudo se passa como se os animais tivessem um mapa magnético na cabeça, um "radar" funcionando o tempo todo, capaz de conduzir seus passos em situações críticas. Uma espécie de GPS biológico.

Existem também capacidades particulares dos animais que, além de nos deixar atônitos, podem nos ser muito úteis. Por exemplo, alguns cães preveem os ataques epiléticos nas pessoas, capacidade estudada e demonstrada em estudo conduzido pelo neurologista Adam Kirton, do Children's Hospital, de Alberta, Canadá, em 2004.

O estudo, realizado com 60 cães, demonstrou que 15% deles são bastante precisos na previsão de uma crise epilética do próprio dono, sem necessidade de treinamento. Há vários casos em que o animal, mesmo estando a grande distância do dono, corria subitamente em direção a ele quando o mesmo estava na iminência de ter um ataque.

Essa virtude extraordinária parece ligada unicamente ao grau de conhecimento afetivo, por parte do cão, da pessoa que apresenta esse problema. Para alguns cientistas, isso provavelmente deriva da capacidade olfativa que os animais possuem: antes de um ataque epilético, o corpo humano poderia sofrer alterações fisiológicas que levariam a mudanças na sudorese e na composição química do suor, modificações que os cães conseguiriam perceber, ou melhor, cheirar. Mas trata-se realmente apenas de olfato?

A mais conhecida capacidade paranormal dos animais é, sem dúvida, a de prever terremotos e outros importantes cataclismos geológicos. Em 2004, horas antes do tsunami que devastou o litoral de vários países asiáticos, elefantes nas proximidades de praias na Indonésia e no Sri Lanka começaram a manifestar sinais de grande inquietação. Vários arrebentaram as correntes que os prendiam e fugiram para o alto de colinas, como que prevendo que as áreas estavam prestes a serem inundadas.

A MAIS CONHECIDA CAPACIDADE PARANORMAL DOS ANIMAIS É A DE PREVER TERREMOTOS E OUTROS CATACLISMOS GEOLÓGICOS

Na Europa e na China, zonas sujeitas a abalos sísmicos, todos prestam atenção quando animais em cativeiro - como aqueles trancados em zoológicos - mostram sinais de inquietação. Desde a antiguidade há relatos que falam dessa capacidade de previsão dos animais, que, bem antes do momento da catástrofe, começam a comportar-se de maneira estranha, mostrando um forte desejo de abandonar a casa do dono e fugir para longe, como se previssem, ao mesmo tempo, salvar a própria pele e avisar às pessoas de que não é mais o caso de permanecer naquele lugar.

... dois elefantes da Indonésia fotografados horas antes do tsunami de 2004. Eles entraram em agitação e fugiram para o alto das colinas.

... os golfinhos são um dos animais mais dotados de sensibilidade e inteligência.

Outra obra sobre o tema, Anche gli animali vanno in paradiso (Os animais também vão ao paraíso), dos pesquisadores italianos S. Apuzzo e M. D'Ambrosio (Edizioni Mediterranee), relata muitos episódios surpreendentes e inexplicáveis.

No capítulo sobre experiências conduzidas em laboratório e destinadas a provar que alguns animais percebem nitidamente os acontecimentos até mesmo quando são impedidos de usar seus sentidos normais, narra-se a história de um cão boxer que foi ligado a um eletrocardiógrafo numa sala à prova de som, enquanto sua dona se encontrava em outro aposento. Sem que a mulher fosse avisada, um indivíduo estranho invadiu a sala e começou a insultá-la e a ameaçá-la de agressão física. A mulher ficou realmente amedrontada, e seu cão, trancado na outra sala, pareceu perceber que sua dona estava em perigo. O boxer entrou em agitação e seu ritmo cardíaco subiu violentamente.

Outro relato fala de um norte-americano que hospedou em sua casa o gato persa de sua mãe, que partira em viagem à Inglaterra. O gato e a idosa senhora tinham vivido juntos no mesmo apartamento durante quatro anos, e nunca tinham se separado por mais de um dia. Era compreensível, portanto, que durante vários dias o animal parecesse assustado e arredio, mas ele logo se habituou ao novo ambiente e parecia então razoavelmente sereno. Mas um dia, um mês depois da partida de sua dona, ele se encolheu num canto da sala, miando desconsoladamente, recusando a comida e toda a atenção que quiseram lhe dar. No entardecer do segundo dia, esse gato passou a emitir miados pungentes, desesperados. Uma hora depois, o dono da casa recebeu um telefonema avisando-o de que sua mãe acabara de falecer de um ataque cardíaco, quando a transportavam para o hospital".




Autoria: Luis Pellegrini
Revista Planeta - Julho/2009

http://www.terra.com.br/revistaplaneta/edicoes/442/artigo144043-2.htm


O Poder Secreto dos Animais I



Nesta página, o gato Oscar, capaz de prever o momento da morte das pessoas.
Cavalos e cachorros, como todos os animais superiores,
parecem possuir capacidades psíquicas particulares que podem nos ser muito úteis.



"Já ouviu falar do gato Oscar? Há alguns anos ele virou uma celebridade mundial. Não por conta do seu pelo macio ou focinho perfeito, mas por sua capacidade de prever com precisão a morte de pessoas. Isso acontece ainda hoje, na clínica Steere House, em Providence, Rhode Island (Estados Unidos), um lugar para idosos com doenças degenerativas como Alzheimer e Parkinson. Ali, Oscar costuma deitar-se ao lado ou sobre o peito de pacientes que dali a pouco passarão para o outro lado da vida. E ele não erra nunca.

Trazido de um abrigo de animais, Oscar cresceu na unidade para dementes da Steere House. A clínica adotou há anos um programa em que animais são levados para a companhia dos pacientes, a fim de que estes tenham manifestações de afeto e amizade. Cerca de seis animais residem ali, promovendo conforto aos pacientes. Mas só Oscar demonstrou a capacidade especial de perceber qual paciente morreria em breve.

Cerca de seis meses depois, médicos e enfermeiras da clínica notaram que o gato fazia sua própria ronda entre os pacientes. Ele cheirava e observava os doentes, e às vezes escolhia um deles para ir deitar-se. Para surpresa geral, os pacientes com quem Oscar dormia vinham a falecer cerca de duas a quatro horas depois de sua chegada.

Um dos primeiros casos anotados referia-se a uma paciente que tinha um coágulo na perna. Oscar aninhou-se em volta de sua perna e ali permaneceu até a mulher falecer, cerca de duas horas depois. Outro caso exemplar foi o do médico que havia feito um prognóstico de morte iminente, baseado nas condições do paciente: Oscar simplesmente se afastou, fazendo com que o médico acreditasse que o dom do gato houvesse desaparecido. Dez horas depois, Oscar aproximou-se novamente do doente e se aninhou junto dele. A morte do paciente ocorreu cerca de duas horas depois - um intervalo muito longo para o prognóstico inicial do médico.

A precisão de Oscar, que até agora conta com muitas dezenas de casos comprovados, levou o pessoal que trabalha na clínica a instituir um novo e incomum protocolo: toda vez que ele dorme com um paciente, os parentes deste são notificados de sua morte iminente. Na maioria das vezes, a família do paciente não presta atenção ao fato de que Oscar está presente na hora da morte; em algumas ocasiões, entretanto, quando é afastado do quarto a pedido dos parentes, o gato fica andando de um lado para o outro em frente à porta, miando em protesto. Quando permanece, Oscar fica com o doente até que este venha a exalar seu último suspiro - momento em que o gato se levanta, dá uma olhada e parte silenciosamente.

TUDO SE PASSA COMO SE OS ANIMAIS TIVESSEM UM MAPA MAGNÉTICO NA CABEÇA, UM "RADAR" FUNCIONANDO O TEMPO TODO, CAPAZ DE CONDUZIR SEUS PASSOS EM SITUAÇÕES CRÍTICAS. UMA ESPÉCIE DE GPS BIOLÓGICO

Várias foram as hipóteses formuladas para explicar os poderes de Oscar. Os gatos conseguem cheirar as substâncias químicas que são eliminadas pelas pessoas pouco antes de morrer? Os gatos simplesmente são ótimos observadores, melhores do que os próprios médicos? Os gatos possuem algum sentido ou sensibilidade especial, que não conseguimos explicar, mas que realmente funciona? Serão donos de algum poder paranormal? Nenhuma resposta definitiva foi encontrada até agora, e, na clínica Steere House, Oscar continua tranquilamente a desempenhar o seu papel.

Oscar, no entanto, está longe de ser o primeiro e único animal a manifestar capacidades extraordinárias e inexplicáveis. Todos os animais, algumas espécies mais particularmente, possuem capacidades de percepção que superam em muito àquelas humanas. A tal ponto que seus feitos, observados um sem-número de vezes, em todos os tempos e lugares, fazem com que se confundam e se percam os limites entre a ciência e a magia. Nas últimas décadas, um cientista famoso pesquisou o complexo universo das estranhas percepções dos animais e construiu a respeito uma teoria unitária. Esse homem é Rupert Sheldrake, escritor e biólogo inglês, que explicou os resultados de sua pesquisa no livro Dogs that know their owners are coming home (Cachorros que sabem que seus donos estão chegando em casa).

No livro são apresentados diversos testemunhos relativos a prodigiosos eventos que têm como protagonistas animais capazes de perceber coisas que o homem não consegue. Um estudo particular de Sheldrake é dedicado à telepatia. A palavra significa aproximadamente "perceber de longe" e, nos casos relatados no livro, são descritas situações nas quais, por exemplo, gatos previram antecipadamente o retorno à casa do próprio dono, alguma situação de perigo a ele relacionada ou, mais simplesmente, captaram com o pensamento um chamado a distância do dono, sem que houvesse nenhuma possibilidade de ouvi-lo com os ouvidos físicos".




Autoria: Luis Pellegrini
Revista Planeta - Julho/2009
http://www.terra.com.br/revistaplaneta/edicoes/442/artigo144043-1.htm


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Cérebro - Memória e Doenças Degenerativas --- Considerações Iniciais









Caros Leitores e Amigos,

Algumas questões foram levantadas, por comentários e mails recebidos, em que se manifesta de um modo geral, a necessidade de informação e esclarecimentos quanto à Prevenção da Memória e Doenças Degenerativas Cerebrais.



Sinteticamente, é imprescindível cuidar bem dos níveis
físico, mental, emocional e espiritual, através de:


- Dieta Alimentar (recomendada pelo seu médico e/ou nutricionista).

- Baixar nível de estresse.

- Evitar a depressão. Caso ocorra, recorrer a um psicoterapeuta.

- Transmutar sentimentos tóxicos (tristeza, irritação, ódio, etc)
por sentimentos que nutrem a alma (amor, compreensão, perdão, etc).

- Manter sono regularizado.

- Controle médico (consultas, exames periódicos).

- Vida social ativada.

- Ouvir música clássica, instrumental.

- Pintar, tocar instrumentos, atividades criativas.

- Atividade física: ginástica, pilates, ioga, tai chi chuan, caminhadas, dança, etc.
Conforme o caso, é interessante, seguir a sugestão de seu médico.

- Meditação, Prece (não decorada e sim a que flui espontaneamente de seu coração).

- Contato com a Natureza.

- Para os que gostam de Animais, tê-los por perto pois auxiliam muito emocional/física e espiritualmente. Cada qual pode escolher com qual animal tem mais afinidade.

- Leitura, escrita, palavras cruzadas, jogos (xadrez,etc), fazer contas sem calculadora, etc
Nestes, intensificar o grau de dificuldade para exercitar o cérebro.


Obs.:
Essencialmente, deve haver a diversificação de hábitos para o desenvolvimento de novas redes neurais. Não adianta apenas fazer sempre o mesmo,
pois ocorre um automatismo e o cérebro estaciona. Procurar realizar cada atividade de maneiras diferentes, por exemplo: andar por locais diferentes, usar a mão não dominante para certas tarefas, admirar paisagens diferentes ou sob nova ótica, etc.


Espero que tais temas possam auxiliar,
na otimização da qualidade de vida de cada um de vocês.


Seguem a seguir, posts que elucidam bem tais questões.



Adelia Ester Maame Zimeo



Imagem: Internet



"Ginástica Cerebral: Ferramenta Para Potencializar A Aprendizagem"








"Você se exercita todos os dias e é claro que cuida de sua dieta.
Mas quando foi a última vez que exercitou seu cérebro?

A ginástica cerebral é um método que ajuda a otimizar e ativar a aprendizagem, a memória, a auto-estima e a criatividade. Por meio de movimentos simples e sensíveis, estimula a integração mente-corpo e auxilia-nos a aprender com ritmo e coordenação.

Vivemos num mundo cheio de mudanças rápidas, em que o conhecimento humano tem se desenvolvido no mesmo ritmo. Mesmo que o nosso cérebro tenha múltiplas capacidades, devemos aprender a estimulá-las e a desenvolvê-las. Para tanto, é preciso conhecer novas técnicas de aprendizagem, que podem ser aplicadas em diversas ocasiões.

A aparição de estudos como os de Gardner com as inteligências multiplas, os Goleman com a inteligência emocional, os de Buzan com os mapas mentais, os de Lozanov com a sugestopedia, os da PNL sobre as formas de aprender mostra-nos que devemos adequar e modernizar os métodos de ensino-aprendizagem, dirigindo-os para o equilíbrio dos hemisférios cerebrais. Isso permitirá uma aprendizagem mais efetiva, dinâmica, divertida e interessante. O processo de aprender é encorajado quando se cria ambiente propício, com atmosfera positiva e estimulante. Com o estímulo de novas percepções, ocorre o resgate do ser criança presente em cada um.

Lozanov considera que a capacidade que o ser humano possui de aprender a recordar é praticamente ilimitada, desde que se aproveitem ao máximo os recursos do cérebro. Exercitar é a palavra-chave para o bom aproveitamento. Você se exercita todos os dias e é claro que cuida de sua dieta. Mas quando foi a última vez que exercitou seu cérebro?

Se você é como a maioria das pessoas, talvez ainda não tenha se preocupado, desde que deixou a escola, com importância de fazer exercícios cerebrais. E provavelmente pensou que todas aquelas chaves perdidas e nomes esquecidos decorriam de algo inevitável e irreversível – em muitas situações, certamente até atribuiu os problemas a sintomas do envelhecimento, como observa Lozanov.

Novas pesquisas têm demonstrado que, com um pouco de exercícios e estímulos regulares, é possível manter seu cérebro em forma e flexível. “As células do cérebro ativas produzem mais compostos químicos que ajudam a manter os neurônios vivos", diz Lawrence C. Katz, professor de neurobiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Duke, na Carolina do Norte (EUA).

Mas Katz, que promove um regime chamado de “neuróbica”, não acredita que seja necessário ler um livro por dia ou ser mestre das palavras cruzadas ou do xadrez para desfrutar dos benefícios de exercitar os neurônios e, assim, estabelecer novas conexões cerebrais.

Ter desafios mentais é certamente benéfico para todos, mas esses desafios nãoo considerados as únicas maneiras de fazer o cérebro desdobrar-se e construir novas redes de ligações entre os neurônios.

Alguns exemplos de ginásticas físico-mentais
Tentar escovar os dentes com a mão oposta.
Movimentar o corpo de maneiras diferentes das usuais
Tomar um caminho diferente para o trabalho.
Usar as escadas em lugar de elevador.
Escrever com a mãoo dominante.
Amarrar os sapatos de uma maneira diferente.
Ler um livro, ou fazer as contas de saldo bancário com lápis e papel ao invés de usar calculadora.



Importante é saber que qualquer exercício que você criar ou inventar para dar ao cérebro um descanso da rotina estabelece novos caminhos e circuitos entre as células do cérebro e faz parte da ginástica cerebral.

Cada pessoa deve saber aproveitar a música, os sons da natureza, inclusive os barulhos dos meios de transporte, para se inspirar e inovar.

'A idéia da ginástica para o cérebro é a de tecer uma rede mais densa de conexões e, assim, caso algumas se desfaçam com a idade, você terá outras para utilizar', afirma Katz, co-autor do livro Mantenha seu cérebro vivo.

A intenção da ginástica cerebral não é a de torná-lo capaz de memorizar 30 nomes em 30 segundos, mas, sim, de manter seu cérebro flexível, criativo e original. Infelizmente, pesquisas demonstram que as pessoas estão desperdiçando muita energia mental preciosa, em torno de quase quatro horas por dia, com a televisão – uma das melhores maneiras de deixar o cérebro flácido.

"Seu cérebro foi desenhado para ser estimulado pelos cinco sentidos", diz Katz, que acredita que as interações sociais com as outras pessoas estejam entre as melhores maneiras de exercitar o cérebro. Daí, a importância de criar rede de relações.

Katz observa que é também importante a manutenção de um estilo de vida saudável, para ajudar a minimizar o risco de problemas do cérebro, tais como derrame.

Usar o cérebro de maneira criativa significa ir mais além das fronteiras e dos limites e autobloqueios atuais. A inovação é sempre o que nos move para o caminho de novas idéias – e é esta a proposta dos exercícios da ginástica cerebral, criados e resgatados por Paul Dennison, como ferramenta potencializadora da aprendizagem. A redescoberta do prazer e da alegria de aprender pode estar em perguntas simples, como: o que hoje eu aprendi que ontem não sabia? O que hoje fiz de forma diferente?"




Autoria: Regina Drumond
www.communitate.com.br/criatividade/ginastica-cerebral-ferramenta-para-potencializar-a-aprendizagem


Imagem:
http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutrição/79...


"Cérebro À Prova de Envelhecimento"








"A história das freiras de Mankato


David Snowdon, investigador e neurologista da Universidade do Kentucky, descobriu-as em 1986 e envolveu-as num estudo de dez anos para determinar as causas e prevenção da doença de Alzheimer, entre outras complicações cerebrais associadas ao envelhecimento. É que no convento da cidade de Mankato, nos Estados Unidos da América, apesar da idade média ser de 85 anos, as irmãs pareciam protegidas contra este tipo de doenças. Não bebiam, nem fumavam e mantinham-se mentalmente ativas: algumas delas ainda eram professoras.


Neste estudo promovido pelo National Institute on Aging, as freiras aceitaram doar o cérebro para investigação, após a sua morte. Entre as conclusões, revelou-se que embora algumas delas apresentassem sinais patológicos da doença de Alzheimer, poucas tinham sintomas ou desenvolviam a doença mais tarde.


Veio a comprovação científica para a expressão que circulava nos corredores de Mankato: "cérebro desocupado é morada do diabo".



1 - Siga uma dieta saudável

Ou seja, uma dieta rica em ácidos gordos ómega 3, proteínas, antioxidantes, frutas, vegetais e vitaminas do complexo B. Evite gorduras saturadas e tenha sempre, pronto a usar, "reservas" de hidratos de carbono.

Cientistas do MIT, Instituto de Tecnologia de Massachusetts, revelaram que os hidratos de carbono, ajudam a estimular a produção de serotonina no cérebro, hormônio responsável pela regulação do humor e presente em menor quantidade nas mulheres. O estudo realizado mostrou que este consumo é mais eficaz quando acompanhado de pouca ou nenhuma proteína (esta parece impedir a produção da hormona).



2 - Mantenha-se mentalmente ativo

Ler, aprender uma língua nova, ter aulas de dança ou pintura são exemplos de hobbies mentalmente estimulantes em qualquer idade e ajudam a manter-se intelectualmente desperto(a). Tudo menos ficar no sofá a ver televisão.

Manter-se mentalmente activo passa por exercitar os neurónios. E para isso, basta quebrar a rotina, defendem os autores americanos do livro "Mantenha o seu cérebro vivo", com simples alterações do dia-a-dia, como escovar os dentes com a mão a que não estão habituados a fazê-lo. Com as atividades rotineiras acabamos por utilizar apenas uma parte ínfima do nosso potencial cerebral. Por isso, ao modificar a forma como costumamos fazer uma coisa (treinando o ambidestrismo, por exemplo) vai implicar que os neurónios tenham que se adaptar a um novo cenário e isso estimula a produção de neurotrofinas – importantes no crescimento das células nervosas. Aquilo a que os autores Lawrence Katz (professor de neurologia) e Manning Rubin chamam de exercícios neuróbicos.



3 - Faça exercício regular

Indispensável para quem quer ficar em forma, tanto física como mentalmente. O exercício melhora a circulação e coordenação motora, ajuda a prevenir o risco de demência, AVC ou diabetes. Sessões de yoga contribuem para melhorar a acuidade mental. Vários estudos comprovam que as pessoas que praticam exercício regularmente apresentam um menor risco de vir a sofrer da doença de Alzheimer.

John Ratey, neuropsiquiatra americano e professor de psiquiatria da Escola Médica de Harvard, costuma dizer "que fazer exercício é como tomar um prozac no momento certo". Descreve o especialista ao site de investigação médica web med, que a actividade física é realmente para o cérebro, não para o corpo. Afeta o humor, a vitalidade, o estado de alerta e os sentimentos de bem-estar. O autor do livro que aborda os impactos dos avanços da mente sobre a qualidade de vida - "Cérebro – um guia para o usuário" - explica que depois de jogar futebol, o cérebro está mais disposto a aprender. "O exercício aeróbico e o treino são como adubo para o cérebro".


Especialistas apontam-no ainda como benéfico no combate dos sintomas de DDAH (Desordem por Défice de Atenção com Hiperactividade), que afecta a concentração e atenção nas tarefas.



4 - Saia de casa

Ter vida social é muito importante para preservar a saúde mental. Passar tempo com os amigos e a família, fazer voluntariado ou viajar são actividades que protegem da solidão e demência, sobretudo na 3ª idade.

"A fórmula da felicidade" estudada pelo psicólogo e professor da Universidade de Illinois, Ed Diener, foi transmitida o ano passado num documentário televisivo da BBC2: é mais feliz quem tem mais e melhores amigos. Mas também há estudos realizados que traduzem os índices de felicidade proporcionados pelas relações sociais, em anos de vida. De acordo com uma pesquisa realizada durante dez anos (1992-2002), pelo Centre for Ageing Studies, Flinders University, Austrália, os amigos são essenciais para a sobrevivência e podem ter um papel ainda mais importante que a própria família, de acordo com Gynn Giles, uma das investigadoras que publicou o estudo no Journal of Epidemiology and Community Health (http://jech.bmj.com). Além de beneficiar a auto-estima, a amizade pode influenciar hábitos saudáveis de vida.



5 - Durma o suficiente

Habituar-se a não dormir o suficiente ao longo da vida pode ter um impacto muito negativo a longo-prazo, provocando irritabilidade, cansaço excessivo e falta de concentração constante. Além disso, as pessoas que dormem pouco têm mais tendência a engordar.

"Para envelhecer com sucesso precisa de dormir bem"

Edward Schneider, Universidade Califórnia, Los Angeles em Campodimele, conhecida como "a aldeia da eterna juventude", no Sul de Itália, onde é natural andar de vespa aos 90 anos, as pessoas dormem uma sesta de duas horas todas as tardes e, de acordo com um estudo da Universidade de Roma, seguem os seus relógios internos, deitando-se pouco depois do crepúsculo e levantando-se ao nascer do sol: dormem em média oito horas por noite.

6 - Aprenda a lidar com o stresse

O stresse não tem de ser obrigatoriamente mau; pode até ser benéfico, se constituir um estímulo físico e mental. Em contraponto ao ritmo diário, experimente actividades antistresse como o yoga ou o tai-chi, que possam ajudar a lidar melhor com as injecções quotidianas de adrenalina.

Se por um lado, informações novas estimulam o cérebro, em excesso podem ter um efeito contrário. "A abundância de dados gera stresse, porque exige um tempo de que não dispomos para lidar com eles, e se o stresse agudo até é bom para as sinapses (ligações entre neurónios), o crónico destrói a memória de curto prazo", explica em entrevista on line (A Folha), a neurocientista brasileira Suzana Herculano-Houzel, formada pelo Instituto Max-Planck de Pesquisa do Cérebro em Frankfurt, na Alemanha, e autora do "Cérebro em Transformação".



7 - Cuidado com os traumatismos

As lesões no cérebro estão directamente associadas ao risco de demência, daí a importância de simples medidas como usar capacete e cinto, quando andar de bicicleta e carro respectivamente. Atenção redobrada nas crianças.


Quem é que manda aqui? Nas emoções de fome, apetite, alegria ou tristeza.


É o cérebro que regula estas funções e interpreta os sinais emitidos pelo organismo e pelo exterior. Os danos cerebrais podem prejudicar a sensibilidade/resposta do cérebro a determinados estímulos.


Dois Hemisférios

O cérebro é composto por dois hemisférios (responsáveis pela inteligência e raciocínio): ao esquerdo corresponde o pensamento lógico; ao direito o pensamento simbólico e a criatividade.

Sabia que… O hemisfério esquerdo controla o lado direito do corpo e vice-versa.


8 - Controle a sua saúde

Manter o peso adequado, fazer exercício, seguir uma dieta equilibrada ou controlar o stresse, são indicações gerais que reduzem o risco de doenças que afectam o cérebro, como a diabetes, as doenças cardiovasculares e hipertensão.

Sabia que o cérebro também come? Foi o tema e a conclusão principal do Simpósio realizado no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, no passado mês de Janeiro. A iniciativa mostrou como o desenvolvimento cognitivo nas crianças é tão importante como o seu desenvolvimento físico e "aprovou" um conjunto de nutrientes essenciais para pôr o cérebro a funcionar. A nutricionista Helena Cid apresentou o menu:



DHA: ácido gordo que se encontra naturalmente no leite materno e no peixe gordo (como a sardinha e salmão) e é tão importante para o cérebro das crianças como o cálcio para os ossos. Colabora no crescimento e desenvolvimento dos neurónios: as ligações cerebrais precisam de ser constantemente reparadas com ácidos gordos.


Doses: 200mg (0,2g) de EPA+DHA através do peixe; 150 a 200mg para crianças a partir dos 6 meses até adolescentes com 18 anos.



ALA: ácido gordo essencial da família dos ómega 3 importante para o desenvolvimento. Ao contrário do DHA e do EPA, o nosso organismo não consegue sintetizá-lo.


Por isso, recomenda a nutricionista, para alimentar o cérebro com ALA, temos de introduzir frutos secos nas refeições e temperar a comida com óleos vegetais.



Vitaminas Complexo B: estão presentes na gema de ovo, leguminosas, carne e hortaliças verdes. Ajuda na formação de dois neurotransmissores do cérebro e na consequente comunicação entre neurónios. Como o desenvolvimento das ligações cerebrais acontece nos dois primeiros anos de vida, salienta Helena Cid, estas preocupações devem vigorar ainda na gravidez.



9 - Evite hábitos pouco saudáveis

Anote: fumar, consumir drogas, álcool e gorduras (saturadas/trans) em excesso aumenta significativamente o risco de doenças degenerativas do cérebro.

É possível associar o alcoolismo a danos físicos no cérebro, de acordo com um alerta do National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism (EUA). As maiores lesões observadas parecem estar localizadas no córtex do lobo frontal, relacionado com as funções intelectuais. E têm tendência a aumentar com a idade, pelo menos nos homens. Mas estas lesões têm também sido observadas em regiões mais profundas do cérebro, como o cerebelo que ajuda a regular a coordenação e o equilíbrio. Estes estudos têm contribuindo assim para estabelecer relações entre álcool e comportamento: é provável que se acentue o desequilíbrio em alcoólicos de idade avançada. Mas tão ou mais importante, é que também têm somado pontos na recuperação. Investigadores do Center for Alcohol Studies, Universidade do norte da Carolina, sugerem (http://alcoholism.about.com, 2006) que as terapias que exercitam as partes do cérebro danificadas por elevado consumo de álcool, juntamente com suplementos de tiamina, podem promover o crescimento do cérebro (sabe-se que o tamanho do cérebro dos alcoólicos diminuiu) assim como ajudar a recuperar da adição. Os cientistas acrescentam que talvez aquilo que determina o alcoolismo está relacionado com a sensibilidade do cérebro às lesões causadas pelo álcool.



Lembre-se dos seus genes

A hereditariedade é difícil de controlar, mas não impossível. Se tem antecedentes familiares de doenças degenerativas, questione o seu médico sobre a melhor forma de as contrariar.

Revolução genética

O estudo internacional publicado o mês passado na revista Nature Genetics envolveu investigadores alemães, americanos, italianos, japoneses, entre outros, que durante cinco anos analisaram o ADN de mais de seis mil pessoas. Os cientistas identificaram mais um gene (SORL1) que poderá aumentar o risco de desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Esperança para doentes de Alzheimer

Cocktail dietético

O cocktail foi "servido" pelos investigadores do MIT no passado Simpósio da International Academy of Nutrition and Aging (edição 2006): ácidos gordos ómega 3 e dois outros compostos normalmente presentes no sangue, uridina e colina, podem atrasar o declínio cognitivo associado à doença de Alzheimer. Todos eles são necessários aos neurónios para a produção de fosfolípidos (componentes das membranas celulares) e de acordo com os investigadores, se os resultados desta suplementação obtidos em ratos se estenderem aos humanos, este tratamento poderá oferecer, não uma cura, mas um tratamento a longo prazo. A boa notícia é que esta receita provocou um aumento das membranas que formam as sinapses celulares (onde as mensagens entre as células são transmitidas) e cujos danos estão associados à demência característica na doença de Alzheimer.



Música neurológica

Faz parte das 10 recomendações do Centro Português de Neurofitness (Instituto da Inteligência) para alcançar a chamada potência cerebral/mental óptima: ouvir música neurológica, ou seja, música instrumental ou coral, cujo ritmo, andamento e harmonia atinja todos os níveis da consciência e do inconsciente a fim de repor o equilíbrio da energia psíquica. O Instituto sugere música New Age e outras como Chariots of Fire, de Vangelis, Symphony in C, de Bizet ou Symphony Nº4, de Mahler e disponibiliza-se para fornecer gratuitamente uma lista completa aos interessados".




(Mais em www.institutodainteligencia.net)


"Revista Performance" N.º 63 - Fevereiro 2007


Imagem:
www.revistapilates.com.br



segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Postura Ereta --- A Maneira Correta De Ver O Mundo




Você já parou para observar suas próprias posturas e das pessoas ao seu redor?
Como está a sua coluna? Inclinada para frente ou para trás?

Geralmente, nossa coluna oscila entre uma postura de submissão e arrogância.

Ou estamos com a cabeça baixa, olhando para os pés das pessoas,
com o peito fechado, defensivos,
ou estamos com o nariz empinado, a coluna inclinada para trás, olhando as pessoas
de cima para baixo, com desprezo.

Em realidade, ambas as posturas são patológicas, dois lados da mesma moeda.

Não se enganem que o arrogante esconde um sentimento de inferioridade - e vice-versa. Não é por outro motivo que ele despreza os outros, para se proteger, pois,
em última instância, se considera inferior.

Também o submisso mascara sua soberba atrás de uma fala mansa.
Não se confunda humildade com fraqueza ou submissão ou baixa auto-estima.

Devemos buscar um equilíbrio entre esses extremos.
Nem tanto para frente, nem tanto para trás.

O tronco e a cabeça devem tocar os céus e nossas pernas devem se enraizar firmemente no chão, cedendo a ele todo nosso peso.

Olhar as pessoas nos olhos com carinho e respeito.

Dignidade é a capacidade de nos mantermos dinamicamente nesse equilíbrio:
nem nos fixarmos em uma postura nem em outra.

Permitir que o corpo transite entre elas, ora para frente, ora para trás ora se inclinando em sinal de humildade, ora enfrentando os desafios com coragem e determinação.

Há, portanto, a negação de qualquer radicalismo rígido e discriminatório.

A dignidade reside na busca do caminho do meio.




Autoria: *Alexandre Perlingeiro (20/02/2009)
http://www.maisde50.com.br/impressao.asp?conteudo_id=7052

Imagem:
www.abril.com.br/noticias/comportamento/endir...



*Alexandre Perlingeiro é mestre em Dakshina Tantra Yoga


domingo, 24 de janeiro de 2010

Estudando O Cérebro --- Prof. Dr.Nubor Facure


Entrevista com Eliane Haddad (Jornal Espírita FEESP)


Informações preliminares:


Os últimos cinco anos foram extremamente férteis no estudo do cérebro e dos neurônios em particular. Usando equipamentos sofisticados foram identificadas funções surpreendentes. Descobriu-se, por exemplo, que existem áreas do cérebro ligadas especificamente ao julgamento moral e a espiritualidade. Olhando alguém que está sofrendo dor, o cérebro de quem observa também põem em atividade neurônios da área sensitiva, como que compartilhando essa dor. Fazer exercícios físicos, ativa grupos de neurônios nas áreas motoras. O que surpreende é que a simples imaginação da mesma atividade física, também ativa esses mesmos neurônios.Sempre se acreditou que o adulto não produzia novos neurônios e hoje isso já é aceito como possível, particularmente, nas regiões do hipocampo – área do cérebro relacionada com a memória.



– O Senhor disse que levamos com o perispírito alguns tipos de neurônios (?)
Os neurônios não são de um elemento material mais pesado do que o elemento material do perispírito? Poderia explicar como isso é possível?


Algumas informações confirmadas pela Ciência, são necessárias serem revistas, por nós, para compreendermos essa questão.Os neurônios estão sempre numa atividade frenética. A cada instante que se mede em milisegundos, estamos realizando trocas químicas e enviando receitas genéticas que constroem um novo padrão de receptores nas membranas celulares desses neurônios. Nossa vida mental está, portanto, inteiramente registrada nos impulsos químicos das células cerebrais e nas redes neurais que elas organizam.Penso eu que no ser encarnado existe uma correspondência entre os neurônios do corpo físico com os do perispírito. Se assim não fosse, viveríamos duas personalidades. Imediatamente após o desencarne as informações do cérebro físico serão transferidas integralmente para o corpo espiritual. Nessa fase contaremos com a mesma rede de neurônios que dispúnhamos no corpo físico. Foi por isso que afirmei que levaremos nossos neurônios para a vida espiritual que nos acolhe depois da morte. Posteriormente, os arquivos mentais do perispírito se ampliarão, por mecanismos que ainda desconhecemos.



– Quando se falou que os neurônios são as únicas células que levamos no perispírito, quer dizer: os registros, as informações? Como ficam, então, os neurônios de alcoólatras e/ou drogados? Pela Ciência, são regenerados em vida ou não? Neurônios se regeneram?

As informações de André Luiz nos dão conta de que o “corpo espiritual” dos desencarnados prescinde de uma série de órgãos que para o corpo físico são fundamentais. A massa muscular e o aparelho digestório sofrem sensível regressão.Por outro lado, o cérebro não poderia sofrer restrição após o desencarne, pelo simples fato de comprometer nossa integridade mental.No caso de lesões que nós mesmos provocamos, ao nos comprometer com vícios acumulados inadvertidamente - como é o caso do alcoolismo ou da drogadição - estaremos fixando no perispírito um dano cerebral que exigirá, mais cedo ou mais tarde, reconstrução anatômica que, talvez só a benção de uma nova encarnação poderá facilitar.O nosso patrimônio físico/perispiritual merece um zelo que ainda não sabemos dimensionar. Como já dissemos, hoje em dia, é aceita a possibilidade de regeneração de neurônios. Já conhecemos alguns fatores químicos que estimulam o crescimento dos neurônios e tanto o aprendizado novo como o exercício físico atuam facilitando a regeneração de neurônios do hipocampo.



– O Sr. disse que as células dos neurônios ficam no perispírito. Isso seria o corpo mental?

Allan Kardec optou pela simplificação desses termos e, em toda sua obra, faz referência quase exclusiva ao perispírito quando se refere ao envoltório espiritual. André Luiz, em especial, nos esclarece algumas particularidades que distinguem o perispírito, o corpo mental e o corpo etéreo, que vem a serem elementos distintos entre si. Com freqüência os termos são usados como representando a mesma coisa, quando, na verdade, se referem a estruturas distintas.Para usar a linguagem da informática, diríamos que o perispírito teria uma conexão anatômica compatível com o nosso corpo físico, nele encontraremos o correspondente espiritual dos neurônios físicos.



– Se as células são renovadas, as perdidas são substituídas por outras. Os neurônios não se renovam e são permanentes? Já nascemos com uma quantidade x para aproveitar ou “queimar”?

Curiosamente, nascemos com uma quantidade muito maior de neurônios do que os que vamos usar durante a vida toda. Logo após o nascimento ocorre uma perda contínua e enorme daqueles neurônios que não fortaleceram suas ligações sinápticas. Por isso, é importante a estimulação da criança, principalmente nos primeiros anos de vida, justamente para que ela proceda à construção das redes sinápticas, que lhes serão fundamentais para sua vida mental futura. Nessa ocasião, o vínculo materno exerce um efeito protetor incomparável.Como dissemos, já é aceito que na vida adulta ocorre também a produção de novos neurônios. Essa, porém, não é a regra para todo o cérebro, a reposição de neurônios ocorre comprovadamente no hipocampo, região ligada as nossas memórias. A leitura, os exercícios físicos saudáveis, trabalhos manuais, uma vida mental sem estrese, períodos de férias repousantes, atividade solidária e fraterna com o próximo, alimentação compatível com as necessidades básica, vitamina E, Ácido fólico, Omega 3, envolvimento sincero com a espiritualidade, são recomendações já comprovadas que garantem benefícios aos nossos neurônios.



Conclusões:

Toda atividade física ou mental, tem seu correspondente na atividade de neurônios em alguma área do cérebro.

Está comprovado que durante as fases de depressão grave, o hipocampo perde neurônios e quando os antidepressivos corrigem a química dos neurotransmissores o hipocampo constrói outros neurônios que atuarão na cura do processo depressivo.

Nós espíritas temos na neurologia um magnífico campo de estudo para compreender muito do que nos ensina a Doutrina Espírita.

Idéias fixas que nos aprisionam a mágoas e ressentimentos persistentes têm um efeito deletério sobre nosso cérebro e, não nos convém mantê-las por mais tempo.

O pensamento negativo que nos imobiliza pela depressão, pode causar danos irreparáveis ao cérebro comprometendo nossa vida mental para sempre.

Pensar ou imaginar com persistência criarão padrões de neurônios que podem nos ajudar ou prejudicar.

A oração não é apenas uma mensagem imaterial, ela também modifica a química e a estrutura funcional dos nossos neurônios.

Aprender coisas novas, adquirir talentos, exercitar o bem, amplia as redes de conexão entre os neurônios.

Comprometer-nos com vícios, consolidar crimes ou vinganças, exigir posses indevidas, impor opiniões, deixam marcados impulsos que os neurônios fixam para sempre.

A distância entre imaginar e desejar é muito pequena.
Pensar e agir estão mais próximo do que parece.

Precisamos rever nossos desejos ocultos, nossas intenções não concretizadas, as pequenas maldades disfarçadas, os gestos que ficam só na intenção, o perdão que insistimos em adiar, a ajuda ao próximo que fica sempre para depois. Todas essas atitudes já estão impressas em neurônios do nosso cérebro e nos compromete enquanto não se resolvem.

A meditação sinaliza nos neurônios um padrão novo de conexões que podem ser muito benéficas para nossa vida mental.
Devemos estimular a sua prática aliada as orações.




Fonte:
http://nuborfacure.blogspot.com/2009/02/estudando-o-cerebro-nubor-orlando

Image:
www.brain-dynamics.net/cognitive-neuroscience...


quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Espiritualidade e Consciência



"Espiritualidade é um estado de consciência; não é doutrina, não!
É o que se leva dentro do coração.

É o discernimento em ação!
É o amor em profusão.

É a luz nas idéias e equilíbrio na senda.
É o valor consciencial da alegria na jornada.

É a valorização da vida e de todos os aprendizados.
É mais do que só viver; é sentir a vida que pulsa em todas as coisas.

É respeitar a si mesmo, para respeitar o próximo e a natureza.

É ter a plena noção de que nada acaba na morte do corpo,
pois a consciência segue além, algures, na eternidade...

É saber disso - com certeza -, e não apenas crer nisso.
É viver isso - com clareza -, sem fraquejar na senda.

É ser um presente, para si mesmo, para os outros e para a própria vida.

Espiritualidade é brilho nos olhos e luz nas mãos.

E isso não depende dessa ou daquela doutrina; depende apenas do próprio despertar espiritual; depende do discernimento consciencial se unir aos sentimentos legais,
no equilíbrio das próprias energias, nos atos da vida.

Ah, espiritualidade é qualidade perene; não se perde nem se ganha; apenas é!

É valor interno, que descerra o olhar para o infinito... para além dos sentidos convencionais.

É janela espiritual que se abre, dentro de si mesmo, para ver a luz que está em tudo!

Espiritualidade é essa maravilha: o encontro consigo mesmo, em paz.

Espiritualidade é ser feliz, mesmo que ninguém entenda por quê.

É quando você se alegra, só pelo fato de estar vivo!

É quando o seu chacra do coração se abre igual a uma rosa, e você se sente possuído por um amor que não é condicionado a coisa alguma, mas que ama tudo.

É quando você nem sabe explicar porque ama; só sabe que ama.

Espiritualidade não depende de estar na Terra ou no Espaço; de estar solteiro ou casado; de pertencer a esse ou aquele lugar; ou de crer nisso ou naquilo.

É valor de consciência, alcançado por esforço próprio e faz o viver se tornar sadio.

Espiritualidade é apenas isso: SER FELIZ!

Ou, como ensinavam os sábios celtas de outrora: SER UM PRESENTE!


Paz e Luz".




Autoria: Wagner Borges

Imagem: Patrick Howe
www.artandawakening.com/


domingo, 17 de janeiro de 2010

Sincrodestino


- Synchronicity -


"Você já escutou alguma vez aquela 'vozinha' dentro de você?
Já teve uma 'forte sensação' a respeito de alguma coisa ou de alguém?

Essa vozinha e essa sensação são formas de comunicação, nas quais geralmente
vale a pena prestar atenção.

As coincidências também são uma espécie de mensagem.

Ao ficar atento às coincidências da vida, você poderá aprender a ouvir com mais clareza as mensagens que elas encerram e, ao compreender as forças que moldam as coincidências, pode vir a influenciar essas forças e criar seu próprio conjunto de coincidências significativas, tirar vantagem das oportunidades que elas apresentam e experimentar a vida como um milagre em constante expansão, que inspira a cada momento admiração e respeito.

(...)

Quando você entende a maneira como a vida realmente funciona -- o fluxo de energia, as informações e a inteligência que orienta cada momento -- ,
começa a ver o incrível potencial desse momento.

As coisas mundanas deixam de incomodá-lo.

Você se torna despreocupado e cheio de alegria.

Também começa a encontrar na vida um número cada vez maior de coincidências.

Quando em sua vida você dá valor às coincidências e ao significado delas, entra em contato com o campo fundamental de possibilidades infinitas.

É aí que a magia tem início.

Trata-se de um estado que chamo de sincrodestino, no qual torna-se possível alcançar a realização espontânea de todos os nossos desejos.

O sincrodestino requer que você tenha acesso a um lugar profundo dentro de si, ao mesmo tempo que desperta para a complexa dança de coincidências no mundo físico.

Ele exige que você compreenda a natureza profunda das coisas, que reconheça o manancial de inteligência que cria interminavelmente nosso universo, mas que tenha a intenção de perseguir as oportunidades específicas de mudança quando elas surgirem".




Autoria: Deepak Chopra
Livro: A Realização Espontânea do Desejo

Imegem:
www.sedonagicleestudios.com/lilynava.html


sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

"Ausência: Onde O Anseio Ainda Perdura"



"Todos que deixam a nossa vida abrem uma trilha sutil de perda que ainda nos liga àquelas pessoas. Quando pensamos nessas pessoas, sentimos a sua falta e desejamos estar na sua companhia, o nosso coração viaja por essa trilha até onde elas então se acham.
Em toda vida, há áreas inteiras de ausência.

(...)

A ausência é uma das mais solitárias formas de anseio e, quando sentimos a ausência de alguém, ainda estamos integrados com a pessoa de um modo secreto. No mundo da integração, há uma sutil aritmética psíquica.


A Ausência e a Presença são Irmãs

O fluxo e o refluxo da presença é uma corrente que percorre a totalidade da vida. Parece que a ausência é impossível sem a presença. A ausência é irmã da presença. O oposto da presença não é a ausência, mas o vácuo. Onde há ausência, ainda há energia, compromisso e anseio. O vácuo é o espaço neutro e indiferente. É um espaço sem energia. Permanece vazio e inútil, intocado por qualquer murmúrio de anseio ou desejo.

Em contraste, a ausência é vital e ativa. A palavra 'ausência' tem raízes no latim ab-esse, que significa 'estar em outro lugar'. Estar longe de uma pessoa ou de um lugar. Tudo aquilo ou todo aquele que está ausente se afastou do seu lugar apropriado. Entretanto, a sua distância não é indiferente ao lugar ou à pessoa que eles deixaram. Embora então em outro lugar, eles ainda provocam saudade e desejo. A ausência parece conter o eco de uma intimidade rompida".




Autoria: John O'Donohue
Livro: Ecos Eternos


Imagem:
www.overmundo.com.br/banco/ausencia-de-mim

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Água Mineral Boa É Alcalina





Nenhuma doença subsiste a uma corrente sangüínea alcalina. Essa afirmação é um fato incontestável. Está mais do que provado pela ciência.

Inúmeras pesquisas já se aprofundaram nesse assunto, muito relevante para a manutenção e reconquista da saúde.

A questão é como mantermos essa corrente sangüínea alcalina.

Há fatores ou variáveis muito poderosos que induzem o insucesso de se manter os nossos sistemas orgânicos alcalinos ou conseguir o triunfo total numa terapia alcalina.

Vivemos numa economia de mercado. Há diversos interesses de grupos que investem em contrapesquisas para a sua sobrevivência. A razão econômica nesse modelo ou paradigma no qual estamos inseridos sempre sobreporá a razão científica da saúde de uma forma extremamente insana.

Exemplo são as pesquisas que tentam afirmar que leite de vaca é bom para os ossos porque tem cálcio, induzindo milhares de pessoas a problemas sérios de saúde ao longo do tempo. Nada mais verdadeiro afirmar que a acidez torna os ossos quebradiços. O leite, além de outros aspectos negativos, é extremamente ácido.

Vejamos o caso da água.
A água é um elemento fundamental da vida.

Podemos viver sem comer durante 15 dias, mas não podemos viver sem água.
Água é bom. Mas nem toda água é boa.

Água boa é alcalina e com poucos resíduos de sódio.
Pesquisamos em um supermercado diversas marcas de água.

Ficamos surpresos com a acidez de algumas e com o nível de sódio de quase todas. Água alcalina é a água que ajudará os seus sistemas fluídicos corporais a eliminar toxinas. Água salgada eleva a pressão sangüínea.

Em um dos nossos artigos falamos da importância da alcalinidade da água em nossa saúde. Hoje estaremos fazendo apenas um complemento.

O pH da água influencia na desintoxicação de nosso corpo, além de harmonizar a bioeletricidade celular. No rótulo de qualquer água mineral, observe a seguinte informação: pH a 25º C (temperatura ambiente).

Se o pH for igual ou maior do que 7, essa água é alcalina. O pH entre 6 e 7 pode ser considerado semi-ácido. Abaixo de 6, a água é ácida. Mas não é só isso! Precisamos identificar se a água é ou não salgada.

Como sabemos?! Veja no rótulo a informação Resíduo de Evaporação a 180ºC calculado. Quanto mais próximo ou menor que 100 mg/L é melhor para o consumo. Pesquisamos diversos tipos de água mineral no Rio de Janeiro.

A água mais assassina por incrível que pareça é a da marca Prata. Desde a infância que ouvíamos falar que a água Prata era a melhor. Poderia até ser naquele tempo. A água Prata é alcalina, mas tem níveis de sódio elevados. Quantos hipertensos vem fazendo uso dela sem saber? Toda água bicarbonatada tem níveis de sódio elevados. A Prata é um exemplo que tem pH a 25º igual a 7,01 (no limite mínimo da alcalinidade). Quanto ao Resíduo de Evaporação a 180ºC calculado, seu rótulo indica 270,28 mg/L. Muito sal!

Outra água assassina é a da marca São Lourenço. É a pior em tudo! Seu pH a 25º é de 5,20 (extremamente ácida). Quanto ao Resíduo de Evaporação a 180ºC calculado, seu rótulo indica 213,64 mg/L. As pessoas costumam pagar mais caro pela água de pior qualidade!

A melhor água pesquisada é a da marca Minalba. Seu pH a 25º é de 8,04 (bem alcalino). Quanto ao Resíduo de Evaporação a 180ºC calculado, seu rótulo indica 101,64 mg/L. Não gostamos de falar em marcas porque não é nosso objetivo direcionar para marca A ou B, dando uma má impressão ao leitor.

(...) Quanto mais conscientes estivermos com aquilo que colocamos na boca
melhor para o nosso corpo, mente e espírito.

A água é fundamental para manter essa tríade em harmonia. Para proporcionarmos saúde a um doente, antes de mais nada precisamos proporcionar alcalinidade dos seus fluídos corporais.

O sangue percorre nosso corpo pelos 150 mil quilômetros de capilares. Os capilares têm um papel básico em nosso organismo.

Pessoas com câncer devem manter os níveis de alcalinidade corporal controlados. A metástase (reprodução desordenada de células) ocorre em ambiente ácido.

O ser humano e animais precisam do meio alcalino para sua sobrevivência.

Só as plantas que precisam do meio ácido.

Aprendemos muito com o dr. Flávio, um médico brasileiro que transcendeu no campo da nutrição, como tantos outros médicos brasileiros aparentemente anônimos.

Aprendemos também com o dr. Orlando Aguiar, notável terapeuta no campo nutricional.

Reservamos especialmente a ele nossas homenagens ao seu profundo conhecimento, que tanto reforça o nosso conhecimento para ajudar cada vez mais pessoas.

O dr. Orlando e sua esposa são exemplos dignificantes de humanidade.





Autoria: Luis Fernando Theodoro de Jesus
http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.asp?id=07166

Imagem:
www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambie...


quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Na Direção da Luz



Por: Adelia Ester M. Zimeo


Há elementos da Natureza que nascem e se desenvolvem voltados para a luz.
Assim também ocorre com o ser humano em seu processo evolutivo.

As pessoas divergem bastante quanto às suas reações emocionais,
diante da ocorrência das situações vivenciadas.

Há aquelas que se amarguram e se fixam em pontos nocivos,
criando toxicidades em seu ser.

Há outras, que podem sofrer um impacto inicial perante algumas situações,
mas durante o processo vão recobrando gradativamente sua consciência.

São pessoas que sentem que sua direção verdadeira é para a Luz.

Percebem que é necessário se descentralizarem de tudo que é negativo,
tudo que pode levar à uma involução.

Retomam o domínio próprio de suas vidas como lindas flores, que crescem procurando a Luz.
Vão abrindo suas pétalas e fortalecendo seu caule com suas raízes no solo firme.

Elas sentem que tem necessidade de manter seu equilíbrio entre a terra e o céu.
Entre a razão e a emoção.

Viver para elas é sentir e exalar o perfume e o colorido de seu belo jardim interno.

... com seus corações que pulsam sempre na direção do AMOR...Aquele AMOR que:

- transmuta a dor em compreensão maior sobre a Vida e o Viver;
- metamorfoseia a tristeza em sensibilidade mais aguçada para perdoar sinceramente;
-agradece a todos e a tudo que fazem parte de seu caminho;
- sente o VIVER como a única e grande aventura do ser.



Texto publicado em:
http://shekynah.blog.uol.com.br/arch2008-05-11_2008-05-17.html

Imagem: Internet

sábado, 9 de janeiro de 2010

A Mentirosa Liberdade

- Free Bird -



Comecei a escrever um novo livro, sobre os mitos e mentiras que
nossa cultura expõe em prateleiras enfeitadas, para que a gente enfie esse material na cabeça e, pior, na alma, como se fosse algodão-doce colorido. Com ele chegam os medos que tudo isso nos inspira: medo de não estar bem enquadrados, medo de não ser valorizados pela turma, medo de não ser suficientemente ricos, magros, musculosos, de não participar da melhor balada, do clube mais chique, de não ter feito a viagem certa nem possuir a tecnologia de ponta no celular. Medo de não ser livres.


Na verdade, estamos presos numa rede de falsas liberdades. Nunca
se falou tanto em liberdade, e poucas vezes fomos tão pressionados por exigências absurdas, que constituem o que chamo a síndrome do "ter de". Fala-se em liberdade de escolha, mas somos conduzidos pela propaganda como gado para o matadouro, e as opções são tantas que não conseguimos escolher com calma. Medicados como somos (a pressão, a gordura, a fadiga, a insônia, o sono, a depressão e a euforia, a solidão e o medo tratados a remédio), cedo recorremos a expedientes, porque nossa libido, quimicamente cerceada, falha, e a alegria, de tanta tensão, nos escapa.


Preenchem-se fendas e falhas, manchas se removem, suspendem-se
prazeres como sendo risco e extravagância, e nos ligamos no espelho: alguém por aí é mais eficiente, moderno, valorizado e belo que eu? Alguém mora num condomínio melhor que o meu? Em fileira ao longo das paredes temos de parecer todos iguais nessa dança de enganos. Sobretudo, sempre jovens.


Nunca se pôde viver tanto tempo e com tão boa qualidade, mas no
atual endeusamento da juventude, como se só jovens merecessem amor, vitórias e sucesso, carregamos mais um ônus pesadíssimo e cruel: temos de enganar o tempo, temos de aparentar 15 anos se temos 30, 40 anos se temos 60, e 50 se temos 80 anos de idade. A deusa juventude traz vantagens, mas eu não a quereria para sempre: talvez nela sejamos mais bonitos, quem sabe mais cheios de planos e possibilidades, mas sabemos discernir as coisas que divisamos, podemos optar com a mínima segurança,

conseguimos olhar, analisar e curtir, ou nos falta o que vem depois: maturidade?


Parece que do começo ao fim passamos a vida sendo cobrados: O
que você vai ser? O que vai estudar? Como? Fracassou em mais um vestibular? Já transou? Nunca transou? Treze anos e ainda não ficou? E ainda não bebeu? Nem experimentou uma maconhazinha sequer? E um Viagra para melhorar ainda mais? Ainda aguenta os chatos dos pais? Saiba que eles o controlam sob o pretexto de que o amam. Sai dessa! Já precisa trabalhar? Que chatice! E depois: Quarenta anos ganhando tão pouco e trabalhando tanto? E não tem aquele carro? Nunca esteve naquele resort?

Talvez a gente possa escapar dessas cobranças sendo mais natural, cumprindo deveres reais, curtindo a vida sem se atordoar. Nadar contra toda essa louca correnteza. Ter opiniões próprias, amadurecer, ajuda. Combater a ânsia por coisas que nem queremos, ignorar ofertas no fundo desinteressantes, como roupas ridículas e viagens sem graça, isso ajuda.

Descobrir o que queremos e podemos é um bom aprendizado, mas leva algum tempo: não é preciso escalar o Himalaia social nem ser uma linda mulher nem um homem poderoso. É possível estar contente e ter projetos bem depois dos 40 anos, sem um iate, físico perfeito e grande fortuna. Sem cumprir tantas obrigações fúteis e inúteis, como nos ordenam os mitos e mentiras de uma sociedade insegura, desorientada, em crise.


Liberdade
não vem de correr atrás de deveres, impostos de fora, mas de construir a nossa existência, para a qual, com todo esse esforço e desgaste, sobra tão pouco tempo. Não temos de correr angustiados atrás de modelos que nada têm a ver conosco, máscaras, ilusões e melancolia para aguentar a vida, sem liberdade para descobrir o que a gente gostaria mesmo de ter feito.




Autoria: Lya Luft
Texto enviado por: Aliene


Imagem: jeweskings